Seja bem vindo(a)

Todos serão bem vindos ao meu blog, participe, de sua opinião, critique se necessário, faça parte desta história.
.

domingo, 9 de setembro de 2007

hoje...

Hoje, apesar de tudo, sinto uma tristeza imensa invadindo minha alma. A dor do não saber, do não poder, e do querer são fortes, nos destroção, nos aniquilam e nos magoam. Quero somente a felicidade. Quero o seu carinho. Quero vc

sábado, 1 de setembro de 2007

De um braço partido nasce um novo organismo.
Com a estrela-do-mar ocorre um fato estranho. Algumas espécies são capazes de regenerar-se. Se um dos braços é separado do corpo ele é substituído, enquanto um novo organismo completo crescerá do braço isolado. Esse processo de regeneração constitui um problema para os criadores de ostras. As estrelas-do-mar comem ostras e os criadores costumavam pegar as estrelas-do-mar, parti-las o meio e atirá-las de novo à água O resultado disso não era a eliminação das estrelas-do-mar, mas um aumento do seu número. Há quase 2 mil espécies de estrelas-do-mar, a maioria com cinco braços idênticos. A cor do corpo varia, mas sempre é brilhante e, às vezes, luminescente. Não possui cabeça e nem cauda; seu corpo consiste de duas partes: o disco central com a boca e o ânus; e os braços, que têm carreiras de pequenos pés tubulares capazes de movimentá-la. Este animal carnívoro tem um modo especial de devorar os moluscos que carregam concha. Envolve a vítima com seu corpo e abre a concha com os braços. Então introduz o estômago na concha entreaberta e come a presa. Quando a refeição acaba, o estomago da estrela-do-mar se retrai e a concha vazia, completamente limpa, é abandonada. Caracteristicas: 5 braços simétricos Diâmetro: até 1 metro Monossexuadas Ovíparas (ovos incubados fora do corpo da mãe) Os adultos desenvolvem-se a partir de larvas. Filo: Echinodermata Classe: Asteroidea Sub-classe: Enasteroidea Ordem: Phanerozonia Família: Linckiidae

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Borboleta

"Você vê uma borboleta e a toma em suas mãosVocê vê sua beleza e a coloca no seu coração.Desejando mantê-la consigo, você fecha as mãos em torno dela, com receio de que voe e se vá. Com grande alegria você pensa:"agora possa tê-la para sempre"Logo a alegria se vai, pois a beleza não é mais a mesmaParte da sua beleza era a sua liberdade!A borboleta sente-se traídaAlguma coisa cruel afastou-a de sua liberdadeEm pouco, ela se debate para libertar-seApenas, fazendo você apertá-la mais forte.Percebendo como aborboleta deve estar se sentindoVocê abre suas mãosEla voa novamente para longeAgradecendo por sentir-se livre outra vez. Você pensa em palavras que há muito havia esquecido:Se você ama alguma coisa deixe-a livre Se voltar - é suaSe não voltar - nunca foi" (Sarah Mengel )